30 de abril de 2017

Tagarelando sobre o mês: Tchau Abril!


O Resumo do Mês é um resumo de tudo que aconteceu no blog no último mês. Eu gosto de escrever o resumo de tudo o que aconteceu no mês, porque muitos leitores acabam não tendo a oportunidade de ver todas as postagens, então é uma maneira de compilar e mostrar tudo que rolou no Lado Milla de uma forma resumida...
No inicio do ano, o "resumo do mês" se transformou em um texto corrido com a amiga aqui, "escrevendo pelos cotovelos" sobre os meses que chegariam ao fim no ultimo dia de cada mês.

No inicio do mês, começamos com uma contagem regressiva #12dias para a minha formatura em Psicologia.


Enfim, Psicóloga! escrevi um pouco mais sobre a minha graduação e sobre a minha formatura.
Nesses últimos 3 anos de graduação, eu fui abençoada com amigos, colegas e professores... Que me incentivaram a dar sempre o meu melhor! Algumas "puxadas de orelha" quando era preciso e conforto em momentos de sufoco e duvidas...
O tempo voa... Esse texto, eu escrevi em 2011 no meu blog antigo com idéias que incomodavam  até os dias de hoje... Aquela nostalgia obrigatória que chega a incomodar.
BEBEMORAÇÃO DE FORMATURA
Na semana passada, parecia que um caminhão desgovernado tinha passado por cima de mim. Alguém anotou a placa!?!

Que mês! Tive um dejavú um tanto que, agonizante no show dos Acústicos e Valvulados ou seria Velhas da chalaça ou chalaça... No mesmo tempo que eu conhecia TODO MUNDO da "chalaça..." Precisou alguns segundos para não conhecer ninguém e estar em uma festa estranha com gente esquisita ... ♫ um dia ainda escrevo sobre isso.

No mês passado, eu escrevi que eu tinha perdido o controle da minha vida comprando mais de um livro por mês... hauhauahua mostrei todas as novas aquisições no Book Haul do trimestre. Comprei mais tres livros nesse mês...


 O QUE EU ASSISTI ESTE MÊS


O Vale a pena ver de novo começou a reprisar a novela Senhora Do Destino apesar dos "cortes" para adequar-se o horário estou acompanhando e lembrando o quanto a novela foi bacana e o marco naquela época.

 O QUE EU LI ESTE MÊS


Eu estou lendo... “A Guerra que Salvou a Minha Vida” é um daqueles romances que você lê com um nó no peito, sorrisos no rosto e – entre um parágrafo e outro – lagrimas nos olhos. Uma obra sobre as muitas batalhas que precisamos vencer para conquistar nosso lugar no mundo. Há esse livro... tive a sensação de querer proteger essa leitura e ao mesmo tempo indicar a todo mundo!



 O QUE EU OUVI ESTE MÊS



Indo para o cursinho eu coloco musicas para ouvir no modo "aleatório" e estou ouvindo bastante rock nacional, indie e MPB. Nada muito especifico...


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):


28 de abril de 2017

Um meme literário...

Hoje é Sexta-feira! Encontrei a 01 ano atrás um meme sobre hábitos literários. Soube no blog da Ana Lu que a brincadeira já rolava na blogosfera há tempos, acabou que eu guardei esse meme nos "rascunhos" para um dia também escrever....

Falar de livros é sempre bom... Ler, fotografar, resenhar e porque não escrever um meme literário?

Acabei encontrando esse aqui no blog da Ana Lu que encontrou no blog da Del. Elas responderam em texto (e assim farei também) mas ele foi originalmente criado no YT, no canal Livro e Café. Trata-se da “Tag As Ondas” e cada uma das categorias é baseada na descrição de um personagem do livro homônimo da Virginia Woolf que eu ainda não li, hehe. Vamos lá.
 

1. Bernard sentia amor à literatura (Um livro sobre livros)

Pensei automaticamente no livro A Vida do Livreiro A. J. Fikry Trata-se de um romance ou uma carta de amor para o mundo dos livros “Livrarias atraem o tipo certo de gente”. É o que descobre A. J. Fikry, dono de uma pequena livraria em Alice Island. - O slogan da sua loja é “Nenhum homem é uma ilha; Cada livro é um mundo”. Apesar disso, A. J. se sente sozinho, tudo em sua vida parece ter dado errado. Até que um pacote misterioso aparece na livraria. A entrega inesperada faz A. J. Fikry rever seus objetivos e se perguntar se é possível começar de novo. Aos poucos, A. J. reencontra a felicidade e sua livraria volta a alegrar a pequena Alice Island. Um romance engraçado, delicado e comovente, que lembra a todos por que adoramos ler e por que nos apaixonamos.
“As pessoas contam mentiras chatas sobre política, Deus e amor. Você descobre tudo que precisa saber sobre uma pessoa com a resposta desta pergunta: Qual é o seu livro preferido?"
2. Susan sentia paixão pela natureza e a maternidade (Um livro que fale sobre ser mãe)

Este é um livro sobre a maternidade e todos os sentimentos loucos que as mães têm em relação a quem de alguma forma criam, seja um filho natural, adotivo, neto ou sobrinho. É sobre família e é sobre as mães também, esses seres que falam uma língua estranha e chata que só entende quem entra para o clube e se torna uma delas. Não se preocupe, não é um livro de lamentações. É o contrário: tem histórias engraçadas, singelas e verdadeiras. “A mamãe é rock” é um recorte sem filtro dos divertidos e comoventes malabarismos que um casal moderno faz todos os dias para criar suas filhas. As crônicas da Ana Cardoso, além de divertidas são super bem escritas. A leitura nos trazem as dores e delícias de ser mãe, mulher, empresária... Abrem o cotidiano da família da autora pra que você sinta-se de casa.Além de grandes lições sociológicas e comportamentais, desde a evolução das crianças à de uma mulher como guia e aprendiz com as suas crias. E risadas: Garanto que você dará um bocado! HAHAH.

3. Rodha se sente diferente em relação aos outros (Um livro com um personagem diferente dos padrões).


Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus.Também não faz ideia de que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos de que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e, para além dela, centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com um frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel,um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. 'O Menino do Pijama Listrado' é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.

4. Neville tinha inquietações sociais e ideológicas (Um livro que após a leitura dá vontade de fazer algo pelo mundo)

O livro que mais me marcou  é Pretinha, eu? do autor Júlio Emílio Braz esse livro foi indicação de uma professora de português para a aula de leitura. No meio de uma aula de leitura a professora disse que eu me parecia muito com a Pretinha da história, não pelo meu tom de pele, pois eu sempre fui branquinha hehehe, mas por ser a mais velha de uma turma que todos tinham onze anos e pelo meu “mau jeito” (no começo) de me enquadrar, em uma escola com métodos tão rigorosos quanto o Harm… Ops! Colégio T. Sofri Bullying todos os dias do ano que estudei no colégio T. 

Depois desse episódio quis fazer faculdade de Psicologia para trabalhar com crianças com idade escolar fiz estagio obrigatório em Psicologia escolar e "plantei uma sementinha" como formas dessas crianças serem mais gentil com com os seus colegas.

5. Jinny era uma mulher sensual, preocupada com a aparência e com namorados(Um livro chick lit).

chik lit são livros auto-ajuda para o universo feminino? Não tenho...

6. Louis era inseguro por ser estrangeiro (Um livro de sua estante numa língua que você não entende).

No primeiro semestre da faculdade de Psicologia somos apresentados a obra completa de Freud e a cada semana os alunos compravam a obra completa e iam "mostrar" para toda a turma... Resumo da ópera: Nenhum desses alunos leram nem a metade desses livros e acabam re-vendendo obra completa no final do curso.

7. Percival é o único personagem que não tem fala direta. Os outros apenas comentam sobre ele (Um livro que todo mundo leu, mas você ainda não).

A saga Harry Potter. Quando a febre do bruxinho surgiu, o meu primo (sete anos mais novo) ficou viciado! comprou TODOS os livros e badulaques do HP e eu estava em uma vibe diferente, trabalhando  e tal... Tentei ler e achei um tanto bobnho não passei das primeiras quatro páginas.


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):


27 de abril de 2017

Semanas - 13 "Fico sem graça quando…"




  • Falar em Público: Faço faculdade de Psicologia e de vez em quando precisamos falar em publico; apresentação de trabalho e até na aplicação  de dinâmicas no campo de estagio com as turmas do ensino fundamental da 3° e 4° série eu sempre ficava muito sem graça...
  • Quando me elogiam e nem precisa ser demais: Pois é, fico sem graça... mas, é melhor do que ser criticada né?
  • Com pessoas que não conheço: Adoro conhecer pessoas. mas, fico muito sem graça e fica parecendo que sou metida mas, sou envergonhada... 
  • Não lembro de alguém:  O que me deixa muito sem graça é alguém vir bem simpático "Oi Milla!" (geralmente são amigas da minha mãe)  e eu simplesmente não lembro nem o nome, e nem de ter falado com a criatura alguma vez na vida...  Ou algumas pessoas que eu estudei/trabalhei e não vejo a anos... e o pior, eu até deixo a conversa fluir só para muito mais tarde saber da onde que conheço... Ou não.
  • Ser "novata" em algum ambiente: Fiquei quase um mês com uma dor desconfortável na barriga no meu novo emprego pois, eu não conhecia ninguém... 

E vocês, quando ficam sem graça?


24 de abril de 2017

Canção de segunda: Uma oração...


Não mexe comigo que eu não ando só. Não mexe não...

Eu tenho zumbi, besouro o chefe dos tupis. Sou tupinambá, tenho erês, caboclo boiadeiro.Mãos de cura, morubichabas, cocares, arco-íris Zarabatanas, curarês, flechas e altares. A velocidade da luz no escuro da mata escura. O breu o silêncio a espera...eu tenho jesus, Maria e josé, todos os pajés em minha companhia o menino deus brinca e dorme nos meus sonhos...O poeta me contou 

Não mexe comigo. Não mexe não...

Não misturo, não me dobro a rainha do mar anda de mãos dadas comigo, me ensina o baile das ondas e canta, canta, canta pra mim, é do ouro de oxum que é feita a armadura guarda o meu corpo, garante meu sangue, minha garganta. O veneno do mal não acha passagem e em meu coração maria ascende sua luz, e me aponta o caminho. 

Me sumo no vento, cavalgo no raio de iansã, Giro o mundo, viro, reviro tô no reconcavo. Tô em face, vôo entre as estrelas, brinco de Ser uma traço o cruzeiro do sul, com a tocha Da fogueira de joão menino, rezo com as três Marias, vou além me recolho no esplendor das nebulosas descanso nos vales, montanhas, durmo na forja de Ogum, mergulho no calor da lava dos vulcões, corpo vivo de xangô 

Eu não ando no breu nem ando na treva... É por onde eu vou que o santo me leva 

Medo não me alcança, no deserto me acho, faço cobra morder o rabo, escorpião vira pirilampo. Meus pés recebem bálsamos, unguento suave das mãos de maria, irmã de marta e lázaro, no Oásis de bethânia. Pensou que eu ando só, atente ao tempo num começa nem termina, é nunca é sempre, É tempo de reparar na balança de nobre cobre que o rei equilibra, fulmina o injusto, deixa nua a justiça 

Eu não provo do teu féu, eu não piso no teu chão e pra onde você for não leva o meu nome não,..

Onde vai valente?
você secô seus olhos insones Secaram, não vêêm brotar a relva que cresce livre E verde, longe da tua cegueira. seus ouvidos se Fecharam à qualquer música, qualquer som, nem o Bem nem o mal, pensam em ti, ninguém te escolhe
Você pisa na terra mas não sente apenas pisa, Apenas vaga sobre o planeta, já nem ouve as teclas do teu piano, você está tão mirrado que
Nem o diabo te ambiciona, não tem alma você é o oco, do oco, do oco, do sem fim do mundo. 

O que é teu já tá guardado Não sou eu que vou lhe dar... 

Eu posso engolir você só pra cuspir depois, Minha forma é matéria que você não alcança. Desde o leite do peito de minha mãe, até o sem fim dos versos, versos, versos, que brota do Poeta em toda poesia sob a luz da lua que deita 

Na palma da inspiração de caymmi, se choro, quando choro e minha lágrima cai é pra regar o capim que Alimenta a vida, chorando eu refaço as nascentes que você secou. 

Se desejo o meu desejo faz subir marés de sal e sortilégio, vivo de cara pra o vento na chuva e quero me molhar. o terço de fátima e o cordão de 
Gandhi, cruzam o meu peito. Sou como a haste fina que qualquer brisa verga 
Mas, nenhuma espada corta 

Não mexe comigo!


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

21 de abril de 2017

Semana12: coisas para se fazer no frio


Esse post faz parte do projeto 52X5 .
Explico melhor o projeto nesse post aqui.



Aaaaah, o Inverno! Apesar de gostar muito do verão eu estava esperando muito o frio...

Hoje é o dia do projeto de 52 semanas, vim listar 5 coisas para fazer no inverno e que eu adoro.
Pensei em várias coisas, mas acabei me limitando a coisas da minha região, hábitos que eu tenho nessa época do ano.


TOMAR CAFÉ


Adoro tomar café em qualquer estação... Porém, no friozinho parece ser muito mais convidativo e esquenta as mãos.

DORMIR



Amo dormir. (me julguem!)  no começo do ano passado (que eu não estava trabalhando...) adorava tirar uma soneca depois do almoço (delicia...) hoje só durmo a tarde no final de semana...
 VER FILMES/SERIADOS


Fazer uma temporada de filmes em baixo das cobertas é algo que eu gosto muito de fazer no inverno...
GULOSEIMAS 


Quem não exagera nas guloseimas nessa estação que atire a primeira pedra.
LER


Ler é bom em qualquer época do ano principalmente no inverno...


E ai, o que mais vocês gostam de fazer no inverno?

14 de abril de 2017

Enfim, Psicóloga!


"não é sobre o quão rápido chegarei lá/
não é sobre o que está me esperando do outro lado. 
É a escalada...♪". 
Então eu formei.


Há 1 ano atrás, escrevi a minha trajetória no curso de graduação em Psicologia e Sobre o tal do trabalho de conclusão de curso:
Meu primeiro dia de aula na faculdade foi assustador! Eu, recém saída do ensino médio com uma turma de alunos já na sua 3° e 4° graduação... Me senti "pequena" diante dos assuntos e opiniões MEGA elaborados e eu ficava quieta com medo de falar alguma besteira. Segui com essa turma até a 5° fase, tive que refazer algumas matérias e acabei diminuindo a quantidade de matérias do semestre. Dessa turma se formaram poucos alunos (menos de 10 alunos) alguns foram desistindo durante os semestres (...) As turmas do curso de Psicologia que "Migrei" durante esses semestres tinha uma característica em comum: Desunião (mal de humanas?). Tínhamos uma nota a N3 "trabalhos em grupo" quando eu não tinha a opção de fazer individualmente sempre foi um "parto" de achar um grupo decente. Minhas piores crises de gastrite se devem a esses momentos de maior stress durante esses dez semestres da graduação. (...) Cheguei a trancar a faculdade 2x: Há primeira vez, eu não tava vendo mais sentido no curso que escolhi .. Depois de ter feito um estágio não obrigatório desses que pagam mal e não tinha nada haver com Psicologia... No final do semestre, eu decidi voltar para o curso de Psicologia. Há segunda vez, eu tirei umas férias de um semestre. Me desentendi com a supervisora de estágio na época, quando voltei no segundo semestre e soube que eu não fui a única a "profissional" se desentendeu com outras alunas também e acabou sendo demitida. Prossigamos...
Teve estágio básico que foi a realização de um sonho! Trabalhar com crianças na escola (Psicologia Escolar).





O meu TCC foi um projeto de pesquisa sobre Problemas Psicológicos na Migração com os Haitianos na cidade de Florianópolis/SC.

(...)Vim falar sobre o TCC. Na semana passada, eu apresentei o meu Trabalho de Conclusão de Curso naqueles longos e intermináveis 30 minutos entre a minha apresentação #tremia e mais trinta minutos da pontuação dos avaliadores e o recebimento da nota. Em momento algum, pensei na nota... Queria passar TODO o meu conhecimento do projeto em si, e que toda a minha trajetória até ali não foi em vão teve crescimento em todas as etapas principalmente dos estágios (Básico e Específico). No dia seguinte, minha supervisora me mandou um e-mail, parabenizando-me pela apresentação e informando que a minha nota foi 9,5. Fiquei Feliz!
Nesses últimos 3 anos de graduação, eu fui abençoada com amigos, colegas e professores... Que me incentivaram a dar sempre o meu melhor! Algumas "puxadas de orelha" quando era preciso e conforto em momentos de sufoco e duvidas... 
No inicio da  colação de grau, a secretaria tinha que escolher uma  das graduadas para ler o juramento oficial dos formandos em Psicologia (salva por uma Camila!), esse juramento deve ser feito na colação de grau que é um evento público oficial que formaliza a conclusão de um curso superior. Todos os formandos em Psicologia devem repetir esse juramento na ocasião da colação de grau.
“COMO PSICÓLOGO, EU ME COMPROMETO A COLOCAR MINHA PROFISSÃO A SERVIÇO DA SOCIEDADE BRASILEIRA, PAUTANDO MEU TRABALHO NOS PRINCÍPIOS DA QUALIDADE TÉCNICA E DO RIGOR ÉTICO. POR MEIO DO MEU EXERCÍCIO PROFISSIONAL, CONTRIBUIREI PARA O DESENVOLVIMENTO DA PSICOLOGIA COMO CIÊNCIA E PROFISSÃO NA DIREÇÃO DAS DEMANDAS DA SOCIEDADE, PROMOVENDO SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DE CADA SUJEITO E DE TODOS OS CIDADÃOS E INSTITUIÇÕES.”
Nesse juramento, eu incluiria a frase do Carl Jung (que foi considerado o pai da Psicologia) que ele diz que: Conheça todas as teorias, domine todas as técnicas, mas ao tocar uma alma humana, seja apenas outra alma humana.

O meu primo mais novo encantado com o "canudo"

Em 2005, achei que esse momento nunca chegaria e em 2010 achei que não iria me formar em Psicologia... Agora, estou aqui, sentada escrevendo sobre toda a minha trajetória e confirmando aquela velha história que diz que: A vida " não é sobre o quão rápido chegarei lá/não é sobre o que está me esperando do outro lado. É a escalada...♪".




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

13 de abril de 2017

SEMANA 11: Meus brinquedos preferidos na infância eram:



Esse post faz parte do projeto 52X5 .
Explico melhor o projeto nesse post aqui.


 Meus brinquedos preferidos na infância

Barbie e ken


Eu só ganhei um Ken bem mais tarde que todas as minhas amiguinhas na época... Sempre improvisava a Xuxa como namorada da Barbie HAHAHA

Sorveteria da Barbie


A sorveteria da Barbie foi um PARTO conseguir tive que parar de chupar dedo... mas, só durou uma semana e depois tava eu lá chupando o meu dedão e brincando com a minha sorveteria...


Mola







Ainda morava no apartamento essa época, adorava coloca-la na escada para ela rolar até o ultimo degrau.

Mini-Game 

999 jogos parecidos mas era muuuuuito viciante esse mini-game lembro que esperava os meus pais na escola e não podia continuar brincando no patio quando escurecia então sentava em algum lugar coberto com um sonzinho do mini-game a todo vapor e brincava um tempão...

Tamagotchi


Outro brinquedinho eletrônico viciante do capeta  na sala de aula era uma loucura vários desses bichinhos apitando com fome/frio/sono e varias outras crises existenciais  vi vários Tamagotchi sendo confiscados em sala de aula... 



Bate bate, bate bolinhas, bat beg...
 quem nunca brincou disso antes?





Bate bate o brinquedo que fez sucesso nos anos 90 voltou. Em cada esquina, em cada camelo, todos estão brincando e vendendo isso. Duas bolinhas são presas por uma corda e o objetivo é bater uma bolinha na outra o mais rápido possível.  Quebrei o meu pulso brincando com isso, e depois  mesmo com gesso no braço eu brincava com esse brinquedo até que quebrava o gesso....

Quais eram os seus brinquedos 
preferidos na infância ???


11 de abril de 2017

O tempo voa...

A velocidade de tudo que acontece em cada momento Depende de você
Tá ruim demora se tá bom vai embora e a vida passa sem a gente ver
Tá ruim demora se tá bom vai embora 
e a gente esquece antes de amanhecer
Velocidade-Vera Loca 


Quando mais velha eu fico percebo que o tempo esta cada vez mais acelerado, tanto o tempo que aquele relógio velho da cozinha marca fazendo TIC TAC, como o relógio biológico. Eles estão batendo a mil por hora, aumentando a frequência na medida em que fazemos aniversario.

As horas passam…
Os folhetinhos do calendário caem…
Os momentos bons passam rápidos demais…
Os momentos ruins ficam maçantes e demoram a passar.

A nostalgia virou um tipo de acessório da moda e a saudade virou assunto de mesa de bar, acredito que esse é o lugar que as pessoas mais embriagadas fazem as mais belas canções, poemas, crônicas, posts… etc e tal! Escrevendo sobre a sua saudade. 

Existe aquela saudade saudável, aquele tipo de saudade gostosa de sentir porque é muito bom saber que aconteceu contigo! Já escrevi varias vezes sobre as minhas “saudades” o arquivo dos Versos esta ai para provar; Acústicos e Valvulados (+15 shows!) fora as chalaças com os guris da banda, NDN, Everton Cunha (memorável!) e outros momentos que só de lembrar vem involuntariamente aquele sorriso no rosto… 

A velocidade desses momentos leva junto às pessoas que de alguma forma marcaram a nossa vida e junto com o tempo elas vão embora sem o nosso consentimento, como se essas pessoas não coubessem mais no nosso dia-a-dia.

“Tive minhas melhores amigas no ensino médio coisas de adolescentes que andam em bando, apesar das mudanças de pessoas éramos as duas o maldito tempo passou… Saímos do colégio que estudávamos, mas íamos uma na casa da outra frequentemente e saiamos com a mesma frequência Mas não éramos do mesmo grupo social de ambas e o contato foi se perdendo… Encontrei essa tal amiga no centro e resolvemos tomar suco para fofocar, um cara veio azarar ela e perguntou quem eu era a resposta considerável era que eu era uma amiga ou até um colega era aceitável naquela ocasião, mas ela culpou o tempo e não soube responder…"

Essa mesma "amiga" Me adicionou no facebook esses tempos fiquei sem reação.” a Amizade permanece... Ou melhor, deveria permanecer, mas às vezes você também vai se pegar pensando se essas pessoas são seus amigos ou foram amigos em uma época da vida.

Os melhores momentos de nossas vidas trazem com ele pessoas especiais que queremos levar para á vida inteira, eles marcam as nossas vidas e queremos que eles permaneçam para reviver e viver outros bons momentos.

Guardo varias lembranças dessas pessoas comigo, e vivo outros momentos memoráveis com os amigos que fiz com o tempo, fiz também vários amigos de estrada com vários momentos bacanas que guardo boas lembranças e sei e que vamos lembrar esse momento e viverem tantos outros e vamos nos lembrar de um do outro quando nos revermos por ai e nunca mais iremos nos tratar como se fosse a primeira vez que nos vemos, independente de quanto tempo passar!

Os momentos ruins e maçantes também trazem pessoas não agradáveis que diferente da boa, quer que essas pessoas vão embora rapidinho e parece que elas demoram séculos para sair da nossa frente, mas nos mostram coisas importantes na vida depois que passam… Não levo nada deles comigo, também não os desejo nada de feio, mas deixo ir… Sem remoer e sem insistir, se não me fizeram bem no passado acredito que não vão me trazer nada de bom no presente muito menos no futuro.

Como já cantarolava uma musica de um banco “o tempo voa…” não podemos desperdiçar com o que/quem não nos agrega, por isso, que eu gosto de estar com as pessoas que fazem o meu dia-a-dia passar rápido, pois esse é um sinal, de eu estar passando momentos bons e moráveis e de ver o tempo passar voando…


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

6 de abril de 2017

Semana10: Minhas comidas preferidas são...



Esse post faz parte do projeto 52X5. 
Explico melhor o projeto nesse post aqui. 



Hoje o desafio de 52 semanas nos trás aquele momento gordice, sabem? É sobre as nossas comidas favoritas. Preciso confessar que, foi difícil escolher apenas cinco pratos e pedir desculpas antecipadamente pelos GIFs que dão “agua na boca” só de olhar... 

Essa sou eu comendo um desses pratos listados
sem oferecer nem um pedaço.... sou dessas. 


Pizza 


Sorvete 




Macarrão 





Morango e chocolate 



Batata Frita 



Então é isso, qual a comida preferida de vocês? 



Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):



3 de abril de 2017

Canção de Segunda: Cajuina - Caetano Veloso



A história não é segredo, mas ainda são poucos os que sabem da verdadeira história da música Cajuína, composição de Caetano Veloso.


A letra foi escrita após a morte do poeta piauiense Torquato Neto. Caetano rodava o Brasil em turnê, e ao passar por Teresina, algum tempo depois que Torquato tirou a própria vida, recebeu a visita do pai do poeta piauiense, Dr. Heli da Rocha.

"Torquato era muito meu amigo e parceiro, letrista do Tropicalismo. Estava até com Chico Buarque em Salvador, fazendo um show que virou disco, no dia da morte de Torquarto. Ele também era muito amigo de Chico, ficaram muito próximos no período pré-Tropicalista. A gente ficou abalado, triste, mas eu não chorei no dia", conta Caetano.

Ele relata ainda, que anos depois da morte de Torquato, ao ver o pai de Torquato, desabou em choro. "Ele me levou para a casa dele, onde estava sozinho. Torquato era filho único e a mulher dele (Dr. Heli), estava hospitalizada. A casa era cheia de fotografias de Torquato nas paredes. Ficamos os dois sozinhos, ele me consolando. Ele pegou na geladeira uma cajuína, botou em dois copos e não falamos nada. Ficamos os dois chorando. Ele foi no jardim, colheu uma rosa menina e me trouxe. E cada coisa que ele fazia eu chorava. Fui para outra cidade do Nordeste, e no hotel escrevi essa música".


Cajuína - Caetano Veloso
Existirmos: a que será que se destina?
Pois quando tu me deste a rosa pequenina
Vi que és um homem lindo e que se acaso a sina
Do menino infeliz não se nos ilumina
Tampouco turva-se a lágrima nordestina
Apenas a matéria vida era tão fina
E éramos olharmo-nos intacta retina
A cajuína cristalina em Teresina




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):
© Lado Milla
Maira Gall