18 de junho de 2018

Semana 17 - Personagens cuja vida eu gostaria de viver por um dia



Encontrei um projeto bem bacana no blog “devaneios e metamorfoses” Este projeto consiste em citar 5 respostas para cada uma das 52 perguntas abaixo, fazendo assim, um Top 5 por semana. É o projeto mais longo que eu já participei... Mas, parece ser divertido!!! 

Obs: As questões 01 á 37 ja estã repondidas e serão liberadas todos os domingos, terças e quintas-feiras de cada mês... Apartir da semana 38 postarei somente as Quintas-Feiras.


1. Holly- filme P.S. Eu te amo"


2. Garota Infernal - Jennifer Check


 Megan Fox interpreta uma popular líder de torcida chamada Jennifer Check.acaba se tornando sacrifício em um ritual feito por uma banda de rock, que espera que isso aumente suas chances de conseguir um bom negócio com uma gravadora. O ritual acaba dando terrivelmente errado (porque eles pensaram que ela era virgem), e Jennifer é possuída por um demônio e começa a matar os garotos de sua escola - primeiro os seduzindo e, depois, comendo-os como refeições.

Mili chiquititas


A fernanda souza será a eterna Mili e quando eu era menor (eu tinha 11 anos quando começou a novela ) eu brincava de ser ele por causa do apelido que as minhas amigas começaram a me chamar de Milli direto!

Sunny- Sunny entre estrelas


Pelo simples fato do seriado ser sobre a realização de um sonho e sobre as coisas boas e ruins da fama que souberam mostrar tão bem em cada episódio.

Rory-Gilmore Girls

Livro  e boas doses de cafeína são coisas que realmente me definem mas a Rory tem uma relação com a mãe dela realmente incrível que graças a deus tenho uma relação tão boa quanto com aminha mãe.



13 de junho de 2018

Semanas - 16: Isso, pra mim, não é diversão:




Encontrei um projeto bem bacana no blog “devaneios e metamorfoses” Este projeto consiste em citar 5 respostas para cada uma das 52 perguntas abaixo, fazendo assim, um Top 5 por semana. É o projeto mais longo que eu já participei... Mas, parece ser divertido!!! 

Obs: As questões 01 á 37 ja estã repondidas e serão liberadas todos os domingos, terças e quintas-feiras de cada mês... Apartir da semana 38 postarei somente as Quintas-Feiras.
Bullying



Bullying utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos, causando dor e angústia e sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder. bullying é um problema mundial, sendo que a agressão física ou moral repetitiva deixa sequelas psicológicas na pessoa atingida.

Cyber- Bullying 


Cyber-bullying é uma prática que envolve o uso de tecnologias de informação e comunicação para dar apoio a comportamentos deliberados, repetidos e hostis praticados por um indivíduo ou grupo com a intenção de prejudicar o outro e pode ser definido como:"Quando a Internet, telefones celulares ou outros dispositivos são utilizados para enviar textos ou imagens com a intenção de ferir ou constranger outra pessoa.


Preconceito 


Eu nunca entendi o racismo. Eu me nego a pensar que existe "um grupo privilegiado" de pessoas que não sofram de algum tipo de preconceito. Por ser negro, branco, pardo... Por ser mulher, homem... Por ser magro(a), gordo... Por ser hétero, gay, trans... Há sim, uma falta de respeito generalizado! Não á  um "grupo social" que escape dessa falta de respeito com o outro ser humano...

Fofoca 


Nos últimos dias fui vitima de fofoca. É horrível! Quando eu fui explicar ouvi somente " Porque me falaram...", "Não foi isso que me disseram..." E isso não tem nada haver com serem amigos ou não e sim caráter.

Maltratar os animais




Apertar pode ser considerado "maus-tratos"??? Eu sempre estou abraçando e apertando com carinho...Os meus cachorros aqui de casa. "Devezenquando" eles se estressam com tanto grude e fogem de mim kkkk




ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

12 de junho de 2018

Vou terminar o ano sozinho....


Vou terminar o ano sozinho. Incrivelmente sozinho. Estupidamente sozinho. Corajosamente sozinho. Resilientemente sozinho. Por escolha própria e bastante segura, sozinho. Por incrível que pareça, sozinho. E é um brinde a todos os sozinhos que escrevo este texto. Àqueles que querem, sim, ter alguém com quem dividir a cama, os sentimentos, as sensações, a parte do dia, a gastrite atacada, a política do pais, as frustrações, perdas e danos. Àqueles que, sim, obviamente sonham com a pessoa-ideal que dará match em todos os sentidos e que compartilhará a rotina, o desejo de permanecer ali, a vontade de querer estar junto. Àqueles que, pasmem, se sentem carentes, muitas vezes solitários e à margem de qualquer relação romântica, talvez por insegurança, medo ou trauma.

Dedico este texto aos sozinhos que sabem que são sozinhos. Que entendem seu lugar no mundo porque fizeram dele um espaço para se esconderem. Aos que, por vontade própria ou não, passaram por esse ano criando seu próprio caminho de reconstrução, de amor a si mesmo, de aprendizados e certezas incertas. Ser sozinho não é tarefa fácil. Às vezes a gente quer ter com quem estalar o peito, rir das piadas mais inconsistentes possíveis, ver Netflix agarradinho, observar o outro dormir e agradecer por poder partilhar a existência. Ser sozinho é uma tarefa que requer pulso firme. Pra aguentar a carência. O desamparo. O desabrigo. É claro que os amigos existem e estão ai pra nos provar que é possível viver sem um amor, mas convenhamos: é que um carinho às vezes cai bem. E cai melhor ainda quando o carinho é mútuo, porque aí o coração aumenta de tamanho e ambos passam a experimentar o gosto que é estar, literal e metaforicamente, juntos.


Mas este texto é para os sozinhos como eu. Os que decidiram começar um longo caminho de redescoberta com o amor. Que não colocaram a responsabilidade de pertencer a alguém acima da responsabilidade, imensa, de pertencer a si próprio. Que chegaram até aqui morosos, mas não menos importantes na principal, melhor e maior aquisição sentimental a que nós estamos submetidos: quando a gente entende que somos tão suficientes, que o outro só virá pra ser similarmente suficiente. Conosco. Quando o outro vem visitar nosso corpo e ele fica encantado com a disposição dos móveis, a maneira organizada e sutil com a qual organizamos os cômodos, a maneira ímpar que tratamos nosso chão. É uma boa relação só quando quem vem entende que a casa já tem dono. Que a casa já foi construída (com esforço e muito suor) e está pronta para receber pessoas novas; que queiram ficar.
Confesso que a minha casa não tá pronta ainda. Acho que vai demorar até que eu consiga erguer muros sólidos, levantar uma estrutura capaz de fincar na terra, reorganizar tudo que está fora do lugar. Acho que é por esta razão que muita gente anda perdida nas relações, às vezes infeliz. A casa não tá pronta. Tá bagunçada. Não tá funcionando. E se não está apta para receber nem seu próprio dono, que dirá outra pessoa.
Então este texto vai pra todos que, assim como eu, tiraram o ano pra revisitar suas casas. Nesse processo doloroso e solitário que é a construção de um corpo leal, honesto e com saúde. Nesse processo sofrido e espinhento que é tentar entender por que a-grande-pessoa ainda não veio. Nesse árduo caminho de assimilar que estar sozinho significa que estruturas internas estão sendo remodeladas.

Este texto é um recado: tá tudo bem se você terminar mais esse ano sozinho, sem ninguém. Por vontade própria ou não. Por sorte ou azar. Por uma opção sua ou do universo. Você está exatamente onde deveria estar e esse texto é um brinde a nós.

E uma última coisa: a pessoa mais importante, sempre, nesse processo todo já chegou e está aqui. Esse alguém é você.

© Lado Milla
Maira Gall