17 agosto 2017

Semana 26: Se eu pudesse trocar de profissão, eu seria:

Então a metade, ou seja, 26 semanas (ou 6 meses) do Desafio 52 Semanas, chegou… O tempo passa!


Quando eu era criança, a pergunta "O que você quer ser quando crescer?" sempre me causava um frio na espinha porque eu nunca fui uma criança com muitas habilidades & dons como os meus coleguinhas... E eu nunca sabia responder a não ser um sonoro "Sei lá!".

Já no ensino fundamental, eu conheci além das professoras outras profissionais (coordenadoras e psico pedagogas) que observavam o comportamento dos alunos no ambiente escolar. Eu sempre gostei do comportamento humano e sempre quis trabalhar com crianças #me-identifico em 2013 eu realizei esse meu grande sonho.

Estagiaria de Psico.Escolar


FOTÓGRAFA 


Sou formada em tec. de fotografia e faço alguns trabalhos de freela... Gosto de fotografar natureza e espetáculos (shows, peças de teatro, danças...). Porém, hoje em dia com os celulares cada vez mais tecnológicos a fotografia perdeu o seu glamour os profissionais de fotografia estão cada vez menos sendo valorizados.

SER DONA DE UMA LIVRARIA (ou pelo menos trabalhar em uma)


Eu amo livros! E conhecer um pouco mais desse universo da literatura é instigante para qualquer pessoa que ama livros e tudo sobre esse universo literário.

ESCRITORA


Eu sei que nesses ultimos tempos eu não estou escrevendo nada... Andei danndo um tempo nos textos mais pessoais. Mas se acaso eu escrevesse um livro com as minhas mazelas que escrevo aqui no blog parafrazeando aquela canção de Clarice Quem vai comprar esse livro / Sobre uma pessoa só?

CRITICO DE CINEMA


Ser convidada para a pré estréia dos filmes/seriados e ser paga para a dar a minha opiniao super valorizada sobre o filme. Que a minha presença tenha sido deputadissima para assistir o filme. Que sonho!


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):


16 agosto 2017

Filme: O Filme da Minha vida (2017)


Serras Gaúchas, 1963. O jovem Tony Terranova precisa lidar com a ausência do pai, que o deixou e também sua mãe para voltar a viver na França. Professor de francês num colégio da cidade, ele convive com os conflitos dos alunos no início da adolescência e vê o desabrochar de moças como a encantadora Luna.

Apaixonado pelos filmes que vê no cinema da cidade, Tony faz do amor e do cinema suas grandes razões de viver. Até que a verdade sobre seu pai começa a vir à tona e o obriga a tomar as rédeas de sua vida.


O Filme da Minha vida (2017) é o terceiro longa de Selton Mello como diretor. Os anteriores foram Feliz Natal (2008) e O Palhaço (2011). Aqui, acompanhamos a história de Tony (Johnny Massaro), que após estudar fora retorna à sua terra natal. Mas no mesmo trem em que ele retorna, o seu pai, Nicolas (Vincent Cassel), vai embora de volta para a França, de onde veio, sem dizer nem por que, nem quando ou se voltará. O que causa grande confusão na vida de Tony. Como é uma cidade pequena e todo mundo se conhece, o fato fica conhecido e acaba atingindo também a vida de outros personagens.


A fotografia e as composições do filme, principalmente nas cenas em que aparece a mãe de Tony, Sofia (Ondina Clais), lembram O Espelho (Zerkalo, 1975), de Tarkovsky; as roupas e até a aparência da personagem remetem à produção do cineasta russo. O que é bem interessante e viável, pois o filme trata bastante de memórias e chega em determinados momentos a ter uma pitada de poesia. Porém, sem a mesma profundidade que Tarkovsky busca, já que não é essa a intenção do filme.


Em contraste com isso, a personagem Luna (Bruna Linzmeyer) parece ter saído de uma produção do diretor Wes Anderson. Olhos grandes, visual “comportadinho”, com sonhos de viver entre as estrelas espaciais e de cinema (em contraponto com a irmã mais velha a personagem de Bruna Arantes que se arruma bastante e participa de concursos de beleza).

Em uma das falas do filme, A Luna (Bruna Linzmeyer) diz que enquanto a irmã estava viajando foi como o tempo tivesse parado... isso explica a infantilidade dos seus primeiros monólogos no inicio do filme. A irmã mais velha tinha um papel tão importante para Luna quanto da figura paterna para o personagem principal Tony Terranova.

A personagem Luna (Bruna Linzmeyer) Passa boa parte do seu tempo tirando fotos artísticas. Coisa mais hipster, impossível. Talvez só se ela fizesse isso tudo em pleno século XXI. Aliás, o filme traz também, sem a necessidade de expressar isso em palavras, um universo típico dos anos 1950 / 1960, com a sempre constante presença do rádio nas cenas e comentários sobre a chegada da televisão ao Brasil.


Selton Mello, além de diretor, encarna Paco, que contrasta totalmente com a figura de “bom moço” que ele tem fora das telas. Seu personagem é o típico “macho alfa” que tem barba, bebe aos litros e até “fede um pouco”, como diz uma das personagens. Ele interpreta até bem, mas essa personificação pregressa que nós temos dele atrapalha um pouco. Um dos comentários interessantes do seu personagem é dizer que “televisão é algo para bobo ficar olhando e que não vai pra frente”. Bem típico de alguém como ele.


Diferente do personagem de Selton Mello, Rolando Boldrin, que interpreta o maquinista Giuseppe, responsável por guiar o trem, encaixa perfeitamente com o músico, ator e apresentador de televisão brasileiro. Pois é uma figura que observa tudo que acontece entre as duas cidades em que se passa o filme e, consequentemente, tem muita história, ou melhor, “muitos causos” para contar. Sabe de tudo que acontece entre e por cima dos trilhos.

O mais interessante do filme O Filme da Minha vida foi a maneira com que ele trata a relação de pai e filho; interessante como a figura paterna tem uma relação forte na nossa personalidade. A figura Paterna representa lei e ordem se torna o espelho do que seremos algum dia. O sumiço do pai no filme tem a ver não com ela desaparecer literalmente, mas sim com o momento em que precisamos nos tornar nós mesmos. O momento em que devemos deixar os passos de nossos pais e seguir o nossos próprios. Além de necessitar de uma quebra dessa figura idealizada que costuma existir na nossa cabeça.

Em uma das falas do filme, o personagem Paco diz que a diferença entre o porco e o homem é que o segundo sabe o que é, e o que quer. O porco é só porco e nem sabe o que é isso. O filme mostra então um protagonista que busca um lugar dele mesmo. Primeiro profissionalmente, escolha que foi, aparentemente, maior parte por decisão dos pais do que dele próprio. Principalmente por ter escolhido lecionar logo francês, que é a língua do país de origem do seu pai. Em seguida, sua relação com mulheres, formação de uma família, e coisas do tipo.

Selton Mello acerta a direção na hora de dosar o tom do filme, misturando drama, comédia, lirismo e liberdade poética. No terceiro ato, as coisas dão uma esfriada e nós, como espectadores, gostaríamos que os personagens tivessem reações diferentes do que eles tomam. Mas, dentre tudo que foi construído durante todo o longa, o que vemos em termos de ação e reação faz sentido.
Avaliação:✭✭✭✭✭

Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):

14 agosto 2017

ENTREVISTA COM A AUTORA: Pam Muñoz Ryan


Em sua história épica Ecos, Pam Muñoz Ryan tece três histórias de jovens que vivem um período tumultuado no século 20: Friedrich Schmidt, de 12 anos, em 1933, Alemanha, quando o Partido Nazista ganha força; Mike Phannery, de 11 anos, órfão, em 1935, Filadélfia durante a Depressão; E Ivy Maria Lopez morando no sul da Califórnia em 1942 quando a Segunda Guerra Mundial toma conta. Suas histórias giram em torno de uma única harmônica Hohner Marine Band e são enquadradas por um conto de um menino perdido, três irmãs e uma maldição de bruxa.

Aqui Ryan discute as origens da história, como ela cresceu e as reviravoltas inesperadas que tomou.


Esta é uma grande mudança para você, não é? O que a levou à essas três histórias?

​PMR: É uma grande mudança. Eu não planejei assim no começo. Eu estava pesquisando o que eu pensava ser o meu próximo livro: um caso judicial pouco conhecido, Roberto Alvarez vs O Conselho de Curadores do Distrito Escolar Lemon Grove, a primeira decisão bem sucedida do tribunal de segregação escolar da nação.

​Como a temática de seu livro mudou de forma tão dramática?

PMR: Eu fui para Lemon Grove, no East San Diego County. Olhando através de anuários escolares, encontrei uma foto de uma aula; Metade dos alunos estavam com os pés descalços e cada criança estava segurando uma gaita. A bibliotecária havia frequentado a mesma escola, e seu irmão estava naquela foto. Então eu descobri a banda Philadelphia Harmônica Band, de Albert Hoxie, uma banda de 60 membros. Quando comecei a pesquisar esse grupo, notei que, nas fotografias, os membros da banda estavam todos segurando gaitas Hohner Marine Band.

Isso me levou ao caminho da harmônica Hohner. As situações [que eu estava explorando] levaram a uma menina que poderia ter tocado a harmônica [e o caso Lemon Grove inspirou muitas das circunstâncias de Ivy] e a outra criança - um menino - que poderia ter participado da banda de Hoxie, que tinha muitos órfãos nela [como meu personagem Mike]. Até que eu fui à fábrica de Hohner, e aprendi que eles tinham aprendizes infantis [como Friedrich]. O que eu pensava ser um pequeno conto, acabou sendo esse livro gigantesco.

​A Segunda Guerra Mundial definitivamente molda sua sombra sobre a vida dessas três crianças.

PMR: A princípio eu não queria escrever um livro que se passasse na guerra. Quando comecei a pesquisar a fábrica de harmônicas Hohner na Alemanha, naquele período eu tropecei com uma lei sobre crianças que tinham doenças hereditárias. Parte do que fez a história de Friedrich interessante é que não ouvimos sobre o que aconteceu com as pessoas que não pareciam "perfeitas", incluindo alemães. [Friedrich, o aprendiz da fábrica de gaitas tinha uma marca de nascença facial grande e de cor vinho].

​Como você fez para não se perder nas as três histórias, seus temas e as questões em cada uma?

​PMR: Com um quadro gigante de dois metros! Eu tinha que conseguir um para o meu escritório, para manter tudo em uma linha, registrando os meses do calendário e os temas que atravessam cada história. Um tema em todo o livro foi o armazenamento de [pessoas]; Mulheres no conto de fadas e na história de Friedrich, qualquer um que se opôs a Hitler e, claro, mais tarde, os judeus. Na história de Mike, são crianças [nos orfanatos], e na história de Ivy, japoneses americanos. Eu tive que manter esses temas recorrentes numa só linha, e lembrar de amarrar os tópicos enquanto eu movia cada história.

​Uma das citações mais bonitas na história de Friedrich é quando ele antecipa sua audição para o conservatório: "Como ele poderia querer algo e temê-lo tanto ao mesmo tempo?".

​PMR: A história de Friedrich é tanto sobre a desilusão dos sonhos. Em sua mente, ele pensou que ele poderia ter ido para o conservatório, mas ele ainda teria ficado lá em sua cidade. Sua maior preocupação foi a audição, mas há algo maior [Hitler] que põe em risco toda a sua existência.

Na história de Mike, [a mãe adotiva] é quem está completamente desiludida pelas circunstâncias de sua própria vida - há outro tema sutil sobre as mulheres sendo reprimidas. Muitas questões societárias [foram abordadas no livro], e eu tive que apresentá-las com naturalidade.

Há a maravilhosa citação na história de Mike, quando o menino passa pela loja de música que se conecta com a jornada da harmônica: "Não é maravilhoso! A música está apenas esperando para escapar de todos esses instrumentos ".

PMR: Essa era a ideia, tanto quanto meu livro The Dreamer, sobre Pablo Neruda. Sua premissa era que sua essência tangível viaja com suas ferramentas, com qualquer coisa que você usou com suas mãos. Adoro a ideia de que a harmônica carregou algo positivo e auto-afirmativo com ela de pessoa para pessoa ... essa sensação de bem-estar eufórico. Parecia tão bonito. Eu queria essa levar essa ideia através do livro.

​Conte-nos sobre o conto de fadas como uma forma de unir as três histórias.

PMR: Desde o momento em que os leitores conhecem o Otto, as três irmãs e a maldição da bruxa, queria que os leitores suspendessem a descrença. Ao combinar as três histórias dentro de um conto de fadas tradicional, eu estava dizendo aos leitores: "Venha comigo e acredite ... há coisas assustadoras e difíceis. O livro é uma floresta escura, mas chegaremos ao fim ... ".






Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):


10 agosto 2017

Semana 25: Tenho aflição de:


Projeto 52X5 . Explico melhor o projeto nesse post aqui



Aflição
Substantivo feminino
1. Estado daquele que está aflito.
2. Sentimento de persistente dor física ou moral; ânsia, agonia, angústia.



1. baratas voadoras
A barata em si, já é um inseto nojento e o fato de alguns desses insetos voarem já me causam aflição...

2. barulho de talheres
Rolou até um arrepio (ruim) aqui. Sempre que ouço esse barulho perturbador não importa o tamanho da minha fome, eu paro imediatamente o que tô fazendo e me coloco em posição fetal até o barulho cessar. E ele sair da minha mente.

3. TV alta
Quando a gente aumenta um volume, seja da TV, seja de uma música, é porque estamos dispostos a escutar barulho, mas quando somos forçados a conviver com eles é uma tortura sem fim. Parece que você escuta sons que jamais escutaria se você tivesse disposto a escutar.

4.Gente que come de boca aberta
Pouca coisa me deixa tão aflita quanto conseguir ouvir outra pessoa mastigando. A minha vontade realmente é bater a cabeça contra a parede até o barulho parar.

5. Conversar sobre a prova nos instantes antes e depois
Isso me deixo nervosa, ansiosa... me dá aflição.


Quais são as coisas que
  lhe causam aflição??? 




Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):
Snapchat: Lmilla5

#MLI2017 - Resultado das Leituras


Eu participei da Maratona Literária de Inverno (#MLI) pela primeira vez em 2015.

Os livros que escolhi para a minha TBR foram livros que eu pretendia ler, sem seguir nenhum tema proposto pela Maratona as minhas escolhas literárias eram livros estavam na parte dos livros não lidos há um tempinho... Naquela época, Seria um mês de LEITURA INTENSA! Porque eu estava de recesso da faculdade e o meu estágio terminaria em junho... Porém, escolhi acrescentar um mês no meu estágio de Psicologia (estagiei nas férias!).Resultado: Flopei!

Esse ano, Eu escolhi os livros para ler na Maratona de acordo com os desafios propostos pelo Victor do canal Geek Freak. Os níveis eram; fáceis, intermediários ou hardcore. O que eu escolhi foi o Nível Fácil. (Ler um livro com a capa azul: Passarinho - Crystal Chan, Ler um livro com menos de 200 páginas: A probabilidade Estatística do Amor e Ler um livro que você comprou pela capa: Tudo aquilo que nunca foi dito Marc Levy.

A grande diferença do ano anterior, foi o " sucesso " dos posts que eu falo dos livros que escolhi para a Maratona Literária de Inverno e a resenha do livro Em Algum Lugar nas Estrelas que foi um "esquenta" para a MLI.
Eu li até a página 100 do livro A probabilidade Estatística do Amor a leitura foi se arrastando e acabou empacando e não consegui conciliar essa leitura chata com o dia-a-dia e antes de ter uma ressaca literária resolvi então, abandonar a leitura... E ler outros livros que não estavam na minha TBR.


Ler um livro com menos de 200 páginas: A probabilidade Estatística do Amor 
Em uma dessas saídas encontrei o livro versão chuchu com capadura do livro O Pequeno Príncipe da editora Agir e é uma das leituras que eu mais gosto de re-ler quando tenho alguma oportunidade.


Comprei a trilogia “O Lar da srta. Peregrine para crianças peculiares”. E já li o primeiro livro da trilogia e pretendo resenha-lo contando as minhas impressões dessa história fantantica!


O livro do mês de Julho do Turista Literário foi o livro ECOS, da premiada escritora norte-americana Pam Muñoz Ryan pela editora Darkside, é uma fábula como há muito não se via – ou se ouvia. 


“Um conto de fadas dark, que resgata o melhor da tradição dos irmãos Grimm, combinado com delicados momentos do século XX, como as duas grandes guerras e a Depressão econômica que assolou os Estados Unidos nos anos 1930. O resultado é uma fantasia histórica repleta de perigos e beleza, emoldurada pelo poder da música.„

Alguém aí participou da maratona? Como foi? 
A idéia dessas maratonas é ler mais livros do que você é acostumado a ler. Acredito que não flopei pois, li outros livros... Pretendo ler os livros que inclui na minha TBR em outro momento, como fiz nas maratonas passadas. 

Foi muito gratificante participar da Maratona Literária de Inverno de 2017 e pricipalmente por recerber tanto carinho e incentivo por meios dos comentários de vocês e eu já vou ficar esperando a maratona de verão!


Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):


05 agosto 2017

Minha Primeira Experiência com o Turista Literário

O Turista Literário é uma caixa surpresa de livros por assinatura que promove uma experiência sensorial única no universo onde o livro é ambientado. Eu amei o conceito, a ideia é que os itens escolhidos levem o leitor, através dos sentidos, para o local do livro. É interessante, já que ajuda a verdadeiramente se afundar na história.


Demorei para garantir a minha primeira mala. Não foi barato: a assinatura é R$ 71,90 + R$15,00 de frete. Mas posso dizer que valeu cada centavo.


A primeira mala de Julho eu recebi essa semana O livro do mês foi Ecos, da Pam Munoz Ryan. Junto com o livro, vieram uma caixa com um cordão com o pingente de uma gaita magica gravado a profecia "Seu destino não esta selado..."  repousado das cascas dos tipos de arvore conivera que compõe a Floresta Negra . O Bolo da Tentativa que também é mencionado no livro; e um souvenir de viagem, é um fone de ouvido, com arte inspirada no livro. Além disso, também é apresentado um QR Code para você ouvir uma playlist enquanto lê.


Também recebi o marcador de página:do próprio Turista Literário e os livros da editora Darkside vem com um a fita setim como marca-páginasAinda não li a história, já que infelizmente não tive tempo (leia-se: estou terminando de ler o primeiro livro de uma trilogia), mas logo lerei e conto aqui o que achei.


Ah, outro detalhe super legal é que veio um passaporte do Turista Literário e todo mês receberemos um selo para colar nele e ir acumulando nossos destinos. O que é mais encantador é todo o cuidado com que os itens foram escolhidos. Nada está ali por acaso. Pelo contrário, foi tudo bem pensado para aumentar a experiência da leitura.


Na minha primeira malinha eu fui atras de Spoiler's (sabia que erra o livro Ecos da ed. Darkside) e mesmo assim me surprendi com os "souvenir de viagem" no próximo mês eu nem li as dicas do site do TL para não ficar fuçando atrás de spoilers.

Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):


01 agosto 2017

Tagarelando sobre o mês...


No inicio do ano, o Resumo do Mês se transformou em um texto corrido com a amiga aqui, "escrevendo pelos cotovelos" sobre os meses que chegariam ao fim no ultimo dia de cada mês.

Essa última semana foi pesada pra quem é mulher e acompanhou as notícias... Um dos meus amigos queridos do Facebook compartilhou um desses textos mal-escritos.Tentei de todas as formas fugir dos sites "jornalisticos" que não informam devidamente e deixam as suas leitoras com mais raiva do que bem informadas. 

Eu senti necessidade de esquecer, virar a página, mudar o disco e mudar de assunto... E escrevi sobre coisas mais leves nesse mês.

 O QUE EU ASSISTI ESTE MÊS



Eu terminei de ver a série Pretty Little Liars. O grande mistério da série se dá pelo suposta morte de Alison, a “abelha-rainha” de seu grupo de melhores amigas, que desapareceu misteriosamente, sem deixar rastros. 

As meninas Spencer Hastings, Aria Montgomery, Hanna Marin e Emily Fields, se encontram na Missa de 1 ano de desaparecimento de Alison. A partir desse dia, quando todas estão “juntas” novamente, as meninas começam a receber mensagens de “-A”, contendo coisas que apenas Alison sabia, o que as faz pensar que a ex-melhor amiga ainda estaria viva, além de várias ofensas às garotas. Mas não poderia ser Alison, poderia? Com o decorrer da série, são apresentados vários suspeitos. Quem quer que seja, ele(a) parece saber todos os segredos das meninas e está observando cada um de seus movimentos. As meninas são amigas novamente, e elas estarão uma com a outra quando os seus segredos vierem à tona.

O cenário é o cotidiano mostrando os personagens Spencer Hastings, Aria Montgomery, Hanna Marin e Emily Fields o seu núcleo social (escola, família, parentes...) vivendo a sua rotina. E o personagem onipresente que intitula-se de -A que sabe de todos os segredos tanto das personagens principais quanto dos seus familiares e está prestes á revelar.

O protagonismo de Sasha Pieterse nas primeiras temporadas se dá, pelos flashbacks quando era "abelha rainha" na escola e quando causava na pequena cidade de Rosewood e pelas memórias que o grupo de amigas compartilham.


Com o retorno de Alison eu enquanto telespectadora fiquei um pouco confusa... com uma Alison assustada e um possível rendimento das suas maldades de quando era uma garota popular (A protagonista não convence... No papel de maldosa nem o possivel arrependimento).

A 5° temporada é a mais cansativa por conta das "mentiras reveladas" que o telespectador ja desconfia de alguma dessas mentiras... A grande maldade são as falsas lembranças que são implatadas nas então crianças e as mentiras acabam gerando outras mentiras mais cabeludas. Sim, eu já suspeitava que seria -A (ou o grupo -A) alguns episódios te dá algumas dicas...  Por isso só dei três estrelinhas.

 O QUE EU LI ESTE MÊS



No final do mês de março, eu fiz um BOOK HAUL trimestral. No inicio desse ano, saiu um "trocadinhos" que eu não tava esperando... E algumas voltinhas em livrarias&derivados acabei comprando alguns livros que eu estava querendo ler á um tempo... Porém, prometi que iria trazer o Book Haul do primeiro semestre desse ano. Comprei 13 livros no primeiro semestre desse ano.


O livro Em Algum Lugar nas Estrelas, da Clare Vanderpool que estava "mofando" na minha bolsa á alguns meses... Ignorei o marcador de páginas e re-comecei a ler do inicio, antes mesmo de começar a ler os escolhidos para a minha TBR da Maratona Literária. 


Comprei o livro O Pequeno Principe com uma edição chuchu da editora Agir e é uma leitura que sempre gosto de re-lêr quando tenho oportunidade. 


Falo um pouco mais da Maratona Literária de Inverno de 2017 nos próximos posts.

 O QUE EU OUVI ESTE MÊS


Eu ouvi bastante músicas para escrever o #cançãodesegunda, escrevi sobre a Coletânea “Dois Lados” com os sucessos do Skank são cantados por novos artistas brasileiros, como: francisco, el hombre, A Banda Mais Bonita da Cidade, Fernando Anitelli, Anavitória, Cobra Coral, Garotas Suecas, dentre outros. Eles imprimem sua personalidade ao cantar as músicas dos mineiros, e o resultado ficou bem interessante. O projeto gerou um álbum duplo com 15 faixas cada, ou seja, são 30 músicas cantadas por diversos artistas.

Chico Buarque divulgou nesta sexta-feira, 28, a música Tua cantiga, uma das faixas de seu novo disco de estúdio, Caravanas, que tem previsão de lançamento para a segunda quinzena de agosto. O single está disponível em todas as plataformas digitais e ganhou também um videoclipe. A letra é assinada por Chico e a melodia é do pianista Cristóvão Bastos, com quem Chico já costuma trabalhar.



O QUE EU escrevi ESTE MÊS


Eu senti necessidade de esquecer, virar a página, mudar o disco e mudar de assunto... Eu escrevi sobre as séries que eu ando vendo depois que descobri as maravilhas da NETFLIX e como eu me tornei uma Fangirl. Eu escrevi um texto antigo sobre saudades e Quando as lembranças sufocam... no meu antigo blog e resolvi re-escrever o texto aqui também.

Ah, não deixe de me acompanhar nas Redes Sociais.
Estarei tagarelando por lá também (principalmente no Snap!!):
Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo